Páginas

Soneto da graça

Deus expressa o seu afeto no mais
Naquilo que é supérfluo pra razão
Que não faz a menor falta aos normais
Mas que faz bater forte o coração

Por que tem a borboleta mil cores?
Se não servem pro seu vôo embalar?
As flores? Para que tantos odores?
Não fosse para vida enfeitar!

Viver o necessário não tem graça
A cereja do bolo é que é o presente
Fala mais alto o burburinho

Sem calor, a vida fica e o tempo passa.
Fingindo existir e estando ausente
Por que ser assim tão pequeninho?

Nenhum comentário: